Deficientes visuais terão aulas gratuitas de canoa havaiana em Niterói, RJ

A partir do dia 17 de agosto, deficientes visuais de Niterói, na Região Metropolitana do Rio, poderão praticar, de maneira gratuita, uma modalidade esportiva que exige concentração, espírito de equipe e integração com a natureza: canoa havaiana. As inscrições para a formação da primeira turma vão até esta sexta-feira (10).

A ideia de integração dos deficientes visuais com os demais alunos partiu do empresário e instrutor Douglas Moura, que procurou os órgãos responsáveis para colocar em prática o projeto. A Coordenadoria de Acessibilidade da Prefeitura de Niterói e a Associação Fluminense de Amparo aos Cegos abraçaram a iniciativa e já realizaram aulas experimentais.

“Essa ideia surgiu há muito tempo, quando eu comecei a remar. Eu tinha um professor que falava assim para mim: ‘remar é mais do que ver. É sentir a canoa.’ Ali, nasceu a minha ideia do projeto, que ficou guardado na gaveta até eu conhecer um aluno que trabalha na Secretaria de Acessibilidade de Niterói. Ele fez todo o ‘link’ entre nosso projeto e a prefeitura”, explicou o instrutor.

O G1 acompanhou a terceira aula experimental de canoa havaiana com os deficientes visuais, na orla de Icaraí, Zona Sul de Niterói. A coordenadora-geral da Coordenadoria de Acessibilidade da Prefeitura de Niterói, Simone de Melo Capella, explica que o projeto passa pela fase experimental antes do início oficial das atividades.

“A ideia é transformar Niterói em um município com esportes adaptados”, revela a secretária de Acessibilidade.

“Como é uma coisa nova no município, vamos realizar aulas experimentais. Precisamos vivenciar a modalidade para depois sentar e escrever o projeto. A ideia é transformar Niterói em um município com esportes adaptados. A gente quis vivenciar e sentir mesmo que eles. Com isso, podemos criar os objetivos e a metodologia. Nossa primeira aula foi no dia 24 de junho, um feriado do município, e foi impressionante. Agora estamos passando para o papel tudo aquilo que vivenciamos junto com eles.”

Três alunos com deficiência visual participaram da terceira aula experimental do projeto. Por ser um esporte coletivo, o instrutor destaca a importância da sincronia durante a remada.

“A grande dificuldade foi criar uma metodologia. E aí, como faríamos a adaptação da pessoa dentro da canoa? Quais os cuidados tomar? A canoa é uma embarcação grande e que, sem a sincronia, não conseguimos fazer ela andar. Usamos um tambor, para marcar o ritmo, ou as palmas”, conta o idealizador do projeto.

Deficiente visual comemora a participação no esporte (Foto: Reprodução / Tv Globo)

“É um aprendizado muito bom para mim. Nunca imaginei que fosse praticar um esporte desses. Independentemente de qualquer deficiência, e quem falar que não pode, por causa da deficiência, praticar qualquer esporte, eu digo que pode sim. Todos são capazes de fazer qualquer coisa, seja lá o que for”, diz Luzia Ramos.

A primeira aula

A primeira aula experimental do projeto, segundo o instrutor Douglas, foi realizada com o objetivo de fazer uma troca de sentidos e experiências. Alunos com a totalidade da visão tiveram a experiência de remar com os olhos vendados, com a narração dos deficientes visuais do que era sentido durante o trajeto.

“Nosso primeiro projeto foi uma troca de sentidos. Nós queríamos colocar nossos alunos misturados com os deficientes visuais. Quando começamos a remar, fomos narrando o que estávamos vendo para eles. E na volta, invertemos. Vendamos os alunos, e deficientes visuais foram contando o que estavam sentido”, explicou Douglas.

Douglas lidera o projeto que oferece aulas gratuitas de canoa havaiana para deficientes visuais (Foto: Miguel Folco / G1)

Inscrições

De acordo com a Secretaria de Acessibilidade, na primeira fase do projeto, serão disponibilizadas 15 vagas. As inscrições acontecem até sexta-feira (10) na Coordenadoria de Acessibilidade, na Praça Fonseca Ramos s/n 5º andar, no Centro de Niterói. O telefone para contato é o (21) 2613-6610.

As primeiras aulas oficiais começam dia 17 de agosto das 8h às 10h, na Praia de Icaraí, Zona Sul de Niterói. Nesse início do projeto, as aulas acontecerão quinzenalmente, até o projeto estar todo estruturado e ser inserido no Núcleo de Esporte Adaptado.

Segundo a coordenadora-geral da Coordenadoria de Acessibilidade da Prefeitura de Niterói, após a estruturação total do projeto, outras novas vagas surgirão.

Os interessados devem levar atestado médico, xerox do comprovante de residência, RG e CPF.

Fonte: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/08/10/deficientes-visuais-terao-aulas-gratuitas-de-canoa-havaiana-em-niteroi-rj.ghtml

Deixe seu comentário