Estudo usa amostra de sangue para detectar autismo em crianças

Um estudo confirmou o sucesso em detectar com precisão se uma criança tem transtorno do espectro autista (TEA) usando uma amostra de sangue.

Realizado pelo Instituto Politécnico Rensselaer, em Nova York, o estudo foi publicado na edição de junho da revista científica “Bioengineering & Translational Medicine”. O estudo foi feito um ano depois de os pesquisadores publicarem seu trabalho em um estudo similar anterior.

Em entrevista ao G1, Juergen Hahn, principal autor do estudo, professor e chefe do Departamento de Engenharia Biomédica do Instituto Politécnico de Rensselaer disse que o sucesso desta nova tentativa é um passo muito importante e necessário para o desenvolvimento de um exame de sangue que possa apoiar o diagnóstico do transtorno de espectro autista.

“Claramente, mais trabalho precisa ser feito antes que um teste comercial esteja disponível, mas esse trabalho é um marco importante”, disse.

Atualmente, o diagnóstico de crianças com autismo não é uma tarefa simples, já que depende apenas de observações clínicas.

É geralmente reconhecido por médicos e pesquisadores que o diagnóstico precoce leva a melhores resultados à medida que as crianças se envolvem em atividades de desenvolvimento precocemente, e um diagnóstico é possível aos 18-24 meses de idade. No entanto, sem exames que possam apontar com precisão o diagnóstico, a maioria das crianças não é diagnosticada até os 4 anos de idade nos EUA.

“Quanto mais cedo o transtorno do espectro autista for diagnosticado, mais cedo é possível iniciar intervenções precoces, tais como serviços de educação especial, terapia ocupacional, terapia da fala, etc. É geralmente reconhecido que a intervenção precoce nestes casos leva a melhores resultados a longo prazo”, explica Hahn.

O estudo

O primeiro estudo desenvolveu um algoritmo que faz uso de concentrações de componentes no sangue para prever se ele veio de uma criança com transtorno do espectro autista (TEA) ou de uma criança em desenvolvimento típico.

Já o segundo usou este algoritmo em 154 crianças com autismo. O objetivo era verificar se o que foi desenvolvido no primeiro estudo funcionaria com outras crianças.

“Os resultados são muito promissores, já que conseguimos fazer previsões precisas em 88% dos casos deste segundo estudo”, diz Hahn.

O próximo passo é a realização de novos teste clínicos e levar um teste ao mercado, mas para que um exame de sangue esteja disponível para os pacientes ainda leva tempo: “É difícil estimar quanto tempo isso levaria, mas meu melhor palpite é que isso poderia acontecer em cinco anos”.

Cautela

Para Alysson Muotri, pesquisador brasileiro da Universidade da Califórnia, ainda é preciso cautela em relação a este novo estudo. Alysson acredita que o número de crianças testadas ainda não é suficiente. “O maior problema está no número de pessoas testadas. Para atingir um poder estatístico nesse caso, o estudo teria que ser feito com mais de 100 mil crianças e não com pouco mais de uma centena como no artigo”.

Ele, que também estuda o autismo, acha que o desenvolvimento de um exame de sangue para o diagnóstico do autismo seria um grande avanço. “O impacto seria enorme, pois um tratamento precoce para o TEA está associado a uma melhor trajetória clínica. Quanto mais cedo a intervenção, melhor a independência do autista”, avalia.

Em seu laboratório, Muotri e sua equipe buscam entender as causas do autismo e buscar formas de reverter as alterações causadas pelo TEA, sejam genéticas ou neuronais. Para isso, um dos estudos realizados por eles envolve o desenvolvimento de minicérebros autistas para o teste de possíveis tratamentos.

Os minicérebros são estruturas celulares miniaturizadas criadas a partir de células-tronco que reproduzem, em parte, a estrutura e funcionalidade do cérebro humano em desenvolvimento.

“Estamos criando uma coleção de minicérebros autistas, carregando diversas alterações genéticas. Usamos esses minicérebros para testar novos tratamentos. Esperamos descobrir vias comuns e também únicas que possam ser passiveis de reversão farmacológica”, diz.

Em seu trabalho mais recente, Muotri desenvolveu minicérebros contendo material genético de Neandertais. A ideia é tentar descobrir como surgiu a capacidade de raciocínio de nossa espécie. O novo estudo também pode contribuir para os estudos sobre autismo.

Uma das linhas de pesquisa de Muotri busca entender as origens evolucionárias do cérebro social humano, que são as redes nervosas responsáveis pela socialização, fala, etc. Áreas que apresentam alterações em crianças dentro do espectro autista.

“Ao estudar o cérebro neandertal, queremos saber quais foram as forças seletivas que modificaram o DNA do homem moderno para que se tornasse mais social. Esse tipo de pesquisa busca entender quais as vias moleculares que atuam no cérebro social, podendo eventualmente ser útil para o desenvolvimento de medicamentos que auxiliam os autistas nessa parte”, explica.

Fonte: https://g1.globo.com/bemestar/noticia/estudo-usa-amostra-de-sangue-para-detectar-autismo-em-criancas.ghtml

Deixe seu comentário