Evento no Rio tem cervejas com rapadura, cheiro de ameixa e parecidas com vinho rosé

Cervejas com rapadura, envelhecidas na madeira, com aroma de ameixa e até parecidas com vinho rosé. Todas essas variações foram observadas por três especialistas em cerveja que o G1 convidou para analisar rótulos que estarão presentes no Mondial de la Bière, festival que vai desta quarta (11) a domingo (15) no Píer Mauá, na Zona Portuária do Rio.

Em conversa com o G1, os degustadores contaram que algumas escolas cervejeiras foram criadas, mas que mais de 200 variações surgiram com o passar dos anos. As inovações podem ser na cor, aroma e sabor do produto.

“A gente tem a escola alemã, caracterizadas pela baixa fermentação; escola do Reino Unido, conhecida pelas cervejas mais maltadas; e a última que surgiu que é a escola americana, que acabou pegando estilos clássicos e foram recriando”, explicou o sommelier Gil Lebre.

Por não ter um estilo próprio, no Brasil alguns fabricantes criam aromas e sabores diferenciados. Marcas no sul do país utilizam bastante uvas para dar sabor às cervejas, outras tentam fazer variações com o malte e a fermentação do produto. Essas características são predominantes nas cervejas artesanais que têm um estilo mais “complexo”.

“O legal é ser inventivo. Lá no sul do Brasil o pessoal usa muito bagaço de uva na cerveja porque é uma coisa que tem em abundância lá. Já imaginam um suquinho, algo mais fraco e talvez não seja assim. Pode ser uma cerveja extremamente complexa. O interessante é fazer os testes e fugir um pouco da mesmice”, disse Pedrinho Aliperti.

“A cerveja artesanal traz um pouco mais de informação. Se você vai fazer uma cerveja para a grande massa, é mais interessante você fazer uma cerveja mais neutra possível para atingir um público muito maior daí você ganha no volume. As artesanais têm mais informação de aroma, paladar e etc.”, completou o especialista.

Entre as cervejas que os sommeliers provaram, uma chamou a atenção por ter um aroma frutado e que lembrava maracujá. De acordo com eles, as características singulares de algumas cervejas artesanais costumam chamar a atenção do público.

“Tem cervejas que tem esse amarelo, manga, maracujá. Isso vem dos lúpulos americanos, que remetem a esse cheiro, esse aroma de frutas e dá esse toque na cerveja. O sabor fica refrescante, frutado, bem interessante”, disse o especialista Ivan Ramalho.

Há alguns anos, o público observava apenas a diferença entre as cervejas claras e escuras. Atualmente, com a criação de novos rótulos e experiências, há uma variedade maior. E, segundo os especialistas, o importante é achar o “estilo” que se encaixa no gosto do consumidor e aproveitar uma “brincadeira sensorial”.

“A gente usa todos os sentidos para beber cerveja. Desde a audição quando se abre a cerveja, a visão para perceber a cor. Tem o tato que a gente vai sentir no paladar quando a gente bebe, a percepção do corpo no palato. É uma brincadeira sensorial no fim das contas, você não precisa ser um especialista, a gente não quer tornar a cerveja uma bebida muito rebuscada, mas no final vira uma brincadeira”, disse Gil Lebre.

Além de cerveja, o Mondial terá um espaço para culinária com food trucks e apresentações musicais. Para outras informações acesse o site do evento. A diretora do evento, Luana Cloper, afirmou que o público poderá encontrar produtos internacionais no evento.

“Tem cervejas para todos os gostos, desde o paladar de um cervejeiro iniciante até o paladar daqueles que já degustam e conhecem cerveja. Os rótulos vêm de 159 cervejarias. Um terço das cervejarias são do Rio de Janeiro, o segundo terço é de cervejarias internacionais e as demais são cervejarias de outros estados. Temos uma diversidade enorme de cervejas e estilos”, disse Luana Cloper.

Alguns rótulos

Estreantes: The Big Head, Bottobier, Farra Bier, Maniba e Suricato Ales

Nomes irreverentes: Sogra, Labirintite, Insana e Daoravida

Consagradas: Therezópolis, Colorado, Coruja, Baden Baden e Noi

Alterações no trânsito

Quarta e sexta-feira, das 15h às 24h, e quinta-feira, sábado e domingo, das 14h às 24h, o trânsito terá as seguintes alterações na região do Píer Mauá.

Interdição:

  • Avenida Rodrigues Alves, no trecho compreendido entre a Rua Silvino Montenegro e a Rua Edgard Gordilho;
  • Via A1, no trecho compreendido entre a Rua Souza e Silva e a Avenida Barão de Tefé;
  • Rua Souza e Silva, no trecho compreendido entre a Avenida Venezuela e a Avenida Rodrigues Alves;
  • Avenida Barão de Tefé, no trecho compreendido entre a Avenida Venezuela e a Avenida Rodrigues Alves.

Estacionamento proibido:

  • Avenida Rodrigues Alves, no trecho compreendido entre a Rua Silvino Montenegro e a Rua Edgard Gordilho;
  • Via A1, no trecho compreendido entre a Rua Souza e Silva e a Avenida Barão de Tefé;
  • Rua Souza e Silva, no trecho compreendido entre a Avenida Venezuela e a Avenida Rodrigues Alves;
  • Avenida Barão de Tefé, no trecho compreendido entre a Avenida Venezuela e a Avenida Rodrigues Alves.
  • Rua Antônio Lage, no trecho compreendido entre a Avenida Venezuela e a Rua Sacadura Cabral;
  • Rua Souza Silva, no trecho compreendido entre a Avenida Venezuela e a Rua Sacadura Cabral.

 

 

 

 

Fonte: https://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/evento-no-rio-tem-cervejas-com-rapadura-cheiro-de-ameixa-e-parecidas-com-vinho-rose-veja-video.ghtml

Deixe seu comentário